Trabalhar no Exterior – Série Tipos de Intercâmbio

Existem diversas formas de se colher um aprendizado através de um intercâmbio que não seja, necessariamente, através de aulas de idiomas ou na universidade. Uma delas é trabalhar no exterior durante um determinado período.

Muitas pessoas não querem fazer um curso de idiomas, nem alguma especialização na área. Mas mesmo assim, buscam um intercâmbio que possa agregar não só no currículo, mas na vida!

E uma ótima maneira de se ter uma experiência transformadora através de intercâmbio é trabalhando no exterior.

Mas atenção: esse artigo não é para quem está buscando seguir carreira e migrar para outro país. Abordaremos somente curtas experiências de trabalho.

Estágio no exterior

Muitos estudantes encontram dificuldades para achar um estágio durante a graduação no Brasil. Além da concorrência ser muito grande, os salários são baixos e as empresas são distantes de sua universidade.

Conciliar estágio e faculdade é tarefa para poucos.

Se você não está com tanta pressa em se formar e está disposto a dedicar um semestre inteiro para o estágio, por que não o realizar em uma empresa no exterior?

O processo é mais fácil do que você imagina!

Programa IAESTE

Existem programas de estágio como o da IAESTE (International Association for the Exchange of Students for Technical Experience) que conecta estudantes e empresas de mais de 90 países no mundo.

Através da IAESTE você pode fazer estágio na sua área de atuação com remuneração que cobre as despesas mensais de acomodação e alimentação.

Os estágios variam de 2 a 12 meses e, no Brasil, o programa é gerenciado pela ABIPE – Associação Brasileira de Intercâmbio Profissional e Estudantil. A ABIPE é uma entidade sem fins lucrativos mas que cobra uma taxa de associação de 110 reais e uma “taxa de aquisição de vaga” de pouco mais de 2 mil reais.

Lembrando que você precisa estar vinculado a uma universidade no Brasil para se candidatar a uma vaga de estágio pela IAESTE.

Existem também agências de turismo especializadas em conseguir vagas de estágio para brasileiros. Um exemplo é a Estágio no Exterior, que esteve presente no 1º CONAINTER – Congresso Nacional Online de Intercâmbio, organizado pelo Intercâmbio Play em setembro de 2017.

Uma outra opção é entrar em contato diretamente com as empresas lá fora e participar do processo seletivo realizado por elas. É uma opção mais trabalhosa pois você necessitará acessar os sites de cada empresa ou sites no estilo Vagas.com e buscar pelas vagas de estágio.

DICA: coloque “internship nome do país” no Google para achar centenas de sites com vagas de estágio.

A vantagem de se procurar uma vaga é que fica mais barato e você não fica preso às opções que a IAESTE ou agências de turismo oferecem. Mas você vai gastar um tempo a mais procurando pela vaga.

Nem preciso falar que a maioria das vagas de estágio no exterior é para quem tem, ao menos, conhecimento intermediário no idioma. O ideal é que tenha nível avançado ou fluência.

Trabalhe nas férias

Não está procurando estágio? Não possui nível avançado e quer melhorar o conhecimento no idioma? Quer ficar um curto período no intercâmbio e ainda juntar uma grana?

Uma ótima opção é trabalhar durante as férias do meio ou fim do ano.

O destino mais famoso para esse tipo de intercâmbio é, sem dúvida, os Estados Unidos. Por lá você encontra oportunidades de trabalhar em estações de esqui, hotéis, acampamentos, parques temáticos, restaurantes.

As funções mais requisitadas são as de monitores, garçons, recepcionistas, hostess. E a carga horária varia entre 20 e 40 horas semanais.

Para quem quer aprimorar o inglês e ter uma vivência no exterior sem gastar muito, essa é uma das melhores oportunidades de se fazer intercâmbio! Sem contar que você pode viajar nos finais de semana ou folgas do trabalho.

O jeito mais simples (e caro!) de se conseguir um intercâmbio para trabalhar nas férias, mais uma vez, é através de agências de viagem que cobram entre 1500 a 2500 dólares para um intercâmbio de 3 a 4 meses (sem passagem aérea).

Compensa? Se você não quer se preocupar em buscar uma vaga de emprego e se você não tem como objetivo juntar uma grana, compensa sim!

Go by yourself!

Agora, se você quer reduzir seus custos, tem disponibilidade para buscar as vagas e quer voltar com uns dólares no bolso, pode procurar vagas de emprego em sites como JobMonkey.com ou Monster.com (esse último, com vagas nos EUA, Canadá, Reino Unido, França, Alemanha e Holanda).

Para se candidatar, você vai precisar, basicamente, de um currículo em inglês e deve passar por uma entrevista por Skype, por exemplo.

Bom lembrar que esses sites não limitam as ofertas de emprego só para as férias, diferentemente da maioria das agências de intercâmbio.

Isso acontece porque as agências só oferecem um tipo de programa de intercâmbio a trabalho que é voltado para universitários, o mais comum nos EUA.

Trabalho Voluntário

Você já imaginou trabalhar em uma ONG no exterior? Dar aulas em uma escola com alunos carentes na África? Cuidar de animais na Austrália?

O intercâmbio de voluntariado tem crescido muito nos últimos anos e é uma ótima oportunidade para quem quer ter uma vivência no exterior, além de colaborar para a criação de um mundo melhor.

Nesse tipo de intercâmbio você vai ter a oportunidade de dar aulas de inglês para estudantes carentes, por exemplo. Ou ainda, cuidar de animais em viveiros temporários.

Para quem deseja oferecer suas habilidades, vivenciar seus valores e abraçar causas mundiais, esse é o tipo de intercâmbio ideal!

Aqui no Brasil, quem pode facilitar o seu intercâmbio voluntário, por exemplo, é a AIESEC: uma ONG de voluntários também que possui uma rede de intercambistas ao redor do mundo, que te auxiliarão a se adaptar no seu país de destino, te oferecendo acomodação e alimentação, na maioria das vezes.

Troque seu trabalho por hospedagem

Esse é, na minha opinião, o melhor tipo de intercâmbio para quem está com a grana curta, quer vivenciar a cultura do país, conhecer pessoas e ainda ter um tempo livre para viajar ou realizar outras atividades.

A troca de trabalho por hospedagem é um modelo recente de intercâmbio que você, provavelmente, não vai encontrar em nenhuma agência de turismo. Até porque a agência não consegue lucrar em cima do seu intercâmbio.

Como funciona? Basicamente você trabalha de 2 a 6 horas por dia e de 3 a 6 dias por semana em troca de acomodação e uma refeição ao menos.

Você poderá trabalhar como recepcionista, barman, fotógrafo ou auxiliar na organização de um hostel. Pode também colaborar no trabalho de uma fazenda orgânica, ecovilas e fazendas de permacultura.

Interessante, não?

A empresa brasileira Worldpackers é uma das referências no segmento e facilita as conexões entre os viajantes e quem está procurando por pessoas para trabalhar. Eles também estiveram presentes no 1º CONAINTER, que realizamos em setembro de 2017 com 20 palestras sobre intercâmbio.

Na plataforma da Worldpackers existem centenas de ofertas para trabalho em troca por hospedagem, tanto no Brasil quanto no exterior.

Outras opções para trocar trabalho por hospedagem sãos os sites Workaway e HelpX. Os 3 sites cobram uma pequena taxa (geralmente 50 dólares) para facilitarem essa conexão entre você e o hostel/fazenda.

O melhor Custo-Benefício

Essas são algumas opções para realizar um intercâmbio a trabalho. Sem sombra de dúvidas, são as melhores opções para quem quer realizar um intercâmbio de baixo custo.

Uma das grandes vantagens de se trabalhar em um outro país é o grande contato com a população local e estrangeiros, o que facilita conhecer mais a cultura local, os costumes e se adaptar mais rápido. Sem contar que para quem busca se aprimorar no inglês, espanhol, francês (…), o contato com muitas pessoas no dia a dia vai acelerar esse processo.

Você vai fugir um pouco da formalidade que estamos acostumados no ensino de idiomas dentro das escolas e vai aprender um vocabulário novo, se sentir confortável para falar um idioma diferente, além de aprender algumas gírias também! 🙂

Se você conhece algum tipo de intercâmbio a trabalho ou se você já vivenciou um intercâmbio deste tipo, deixa um comentário aqui embaixo!

Te vejo nos comentários!